Estamos de volta com a segunda parte da lista de games assutadores que iniciamos na última semana. Com base nos comentários que tivemos na primeira parte da lista, tentamos não deixar nenhum game citado de fora dessa (inclusive o elemento surpresa no final do post). Então mais uma vez, apague a luz e jogue:

F.E.A.R
Um dos poucos jogos que é unanimidade entre os gamers. A história é baseada na experiência de um novato na equipe de elite F.E.A.R. (First Encounter Assault Recon), um grupo de assalto especializado em missões que envolvam problemas sobrenaturais. Tensão, tiros e sustos. Bom pra quem gosta.

 

Fatal Frame II: Crimson Butterfly
Em vez de colocar criaturas monstruosas no seu caminho, como a maioria dos games, “Frame II” te coloca para lutar com fantasmas, tendo como arma uma câmera com a habilidade de escravizar os espíritos maus para os quais você apontar as lentes.

 

Left 4 Dead
Corra que os zumbis vem aí! O objetivo do game é escapar de uma cidade completamente tomada por criaturas infectadas por um misterioso vírus que se transformam em verdadeiras máquinas de matar. O enredo lembra muito filmes como “Vírus” e o recente “A Epidemia”, onde apenas um pequeno grupo de pessoas não é infectado e tenta sobreviver a qualquer custo.

 

Doom 3
Se você ignorar os defeitos do jogo é possível tomar vários sustos com essa sequência da famosa série de tiro em primeira pessoa. “Doom 3” possui batalhas memoráveis e os gráficos ainda se saem bem, mesmo alguns anos depois de seu controverso lançamento em 2004.

 

Evil Dead: Regeneration
Apesar dos primeiros jogos baseados na série de Sam Raimi não serem muito bons, “Regenaration” conseguiu capturar o incrível espírito pastelão dos filmes, além de trazer as marcas registradas do protagonista Ash: sua escopeta e sua “mão de motoserra”.

 

Manhunt
O título grotescamente violento da Rockstar pode não ser o jogo mais sadio do mundo, mas é uma perfeita versão para os games de filmes como “Jogos Mortais” e “O Albergue”. Só não se pode levar muito a sério a trama.

 

BioShock 
O roteiro é o elemento mais assustador desse jogo, que mostra como uma utopia perfeita (Rapture) pode literalmente se transformar num inferno com nada mais do que a cobiça do homem. E em 2012 deve ser lançado o aguardado “BioShock Infinite”.

 

Eternal Darkness: Sanity’s Requiem
O medidor de sanidade fez do 1º jogo da série um clássico para GameCube. Nesta sequência, as coisas ficam ainda mais estranhas. Muitas vezes não há como saber se o jogo está tentando brincar com você ou se o que você vê são alucinações do personagem.

 

Dead Rising
“Dead Rising” obviamente copiou o clássico “Madrugada dos Mortos”, de George Romero, mas quem se importa? Com mais de 200 armas disponíveis, o game permite que o jogador saia matando zumbis por um shopping enorme, assim como no filme.

 

The Suffering
Esse título da Midway é uma resposta mais má e repugnante a jogos como “Resident Evil” e “Silent Hill”. Sua jogabilidade não é tão refinada como a dos jogos mencionados, mas sua história continua sendo uma das mais sombrias do mundo dos games. Ganhou uma sequência.

Atendendo a pedidos… (um pedido só, na verdade)

Resident Evil 4
Sendo sincero, não considero esse título como jogo de terror. Algumas situações do jogo podem causar tensão, mas não chega a ser assustador como os outros jogos citados anteriormente. Pórém, a franquia Resident Evil tem uma importância enorme para os jogos de tiro em primeira pessoa ao agregar um roteiro criativo a uma jogabilidade bem interessante, além de ter transposto o sucesso dos games também para o cinema.

Confira a parte 1 dessa lista clicando AQUI.
Obrigado pela visita e até a próxima!
______________________________________
Fonte: PORTAL PC WORLD (http://pcworld.uol.com.br/)

Tags: ,